• Taís Fagundes

Fazer à mão que acessa o coração

HANDMADE = Lê-se “o fazer à mão que acessa o coração”.

Literalmente, a palavra em inglês handmade significa ‘fazer à mão’. Não importa o quê. O que importa é fazer. Seja um bolinho que exala um cheiro bom pela casa, mesmo que seja de pacotinho; seja plantar uma semente ou regar uma plantinha; seja tentar alguma manualidade do tipo tricotar, picotar, enrolar, amassar, colar, rasgar ou o que sua criatividade mandar. Todos somos seres criativos!


Este fazer à mão oportuniza um contato atento com nossos sentidos: de tocar, de cheirar, de escutar, de provar e de ver. Isto resulta em um processo de experimentação que mexe com nossas emoções e nos faz acessar afetos, do tempo passado ou presente, que retomam genuínas lembranças cujo nosso consciente deixa guardado em um canto especial cerebral.


Vivemos tempos moderninhos. Isso é fato! Os filmes fotográficos de 36 poses ficaram para trás e a tecnologia nos oportuniza o acesso à informação em tempo real. Este ambiente nos conecta também, somente de uma forma diferente. É um constante equilíbrio do off-line e do on-line.


O ato de sentar na sombra e colocar os pés na grama, contemplar a vida que nasce diante de nossos olhos todos os dias (natureza) e o som dos pássaros ao amanhecer nos brindam com singelos rituais de bem-estar.


Carregamos conosco nossas memórias e verdades, como seres indivíduos que somos. Minha vó Branca foi uma mulher do campo que aprendeu a costurar desde cedo. Eu cresci acompanhando evoluções de costura e o barulho da sua máquina em funcionamento. Mais tarde fui entender que em silêncio ela costurava suas emoções. Ali compreendi que tudo é processo e que o fazer à mão oportuniza um acesso direto ao autoconhecimento.


Talvez a costura não fique a obra prima do Fashion week que sua cabeça imaginou, porém o curso de maturação que aquelas linhas tecem aproximam seu ingresso a um relicário infinito de inspirações. Costurar ou fazer algo é mão faz com que você tenha mais paciência e confie que tudo vai dar certo no final. É um conceito de felicidade que seus sentidos assimilam desde sua origem, como ser humano.


Convido você a fazer à mão. Preparar uma mesa com tecido bonito, colocar um guardanapo diferente, preparar seu lar com as suas emoções mais positivas; colocar-se em contato com cores e com texturas; conectar-se com o amanhecer e com o entardecer; contemplar a vida e se deparar com as mais belas linhas e formas que a natureza tem para lhe mostrar.


© 2020 by Taís Fagundes