• Taís Fagundes

Madam C.J. Walker

1867-1919 | Estados Unidos

No mês da mulher: a inspiradora história de C.J. Walker.

Não se tem uma data exata de quando os primeiros africanos foram trazidos para serem escravizados nos Estados Unidos. Mas sabe-se quando eles foram libertos: 1º de janeiro de 1863. Quatro anos depois, em uma família composta inteiramente de escravos libertos, nasceu a primeira criança livre.


Sarah Breedlove entraria para a história como a primeira mulher a se tornar milionária por conta própria.


O caminho foi longo: mesmo com a liberdade, Sarah teve que trabalhar durante toda a infância em plantações de algodão. Perdeu sua mãe aos 7 anos, e o pai pouco tempo depois. Foi abusada pelo cunhado e, para fugir, casou-se aos 14 anos. Aos 21, com uma filha, já era viúva.


Ela foi, então, morar com seus irmãos mais velhos, que trabalhavam em uma barbearia. Conseguiu também um emprego, lavando o cabelo das clientes. Nesse período, passou a ter problemas no couro cabeludo e começou a ficar careca. Ela usou diversos produtos e nenhum funcionava. Cansada da falta de bons produtos para mulheres como ela, buscou uma solução. Lendo os rótulos, pesquisando sobre o benefício e ação de cada componente, criou sua própria linha de produtos de beleza. Sua técnica era simples: passava uma pomada caseira pelo couro cabeludo, aquecia os pentes e escovava os cabelos. E funcionou, atraindo uma legião de fãs.


Mudou seu nome, incluiu o sobrenome do novo marido, Charles Joseph Walker e, por indicação dele que trabalhava na área de vendas e publicidade, chamou a marca - e a si mesma - de "Madam C.J. Walker".


Vendia seus produtos de porta em porta. Com sucesso aumentando, precisou contratar funcionárias, as "agentes Walker". Ela queria que mais mulheres negras empreendessem, fossem autônomas e ganhassem seu próprio dinheiro. "Não estou satisfeita em ganhar dinheiro só para mim. Eu me esforço para oferecer emprego a centenas de mulheres negras."


A marca fez um imenso sucesso. Ela viajou por diversos Estados do seu país para treinar suas consultoras. Em 1910, estabeleceu uma fábrica em Indianápolis e expandiu seus negócios para outros países, como Jamaica, Cuba. Costa Rica, Panamá e Haiti.


A primeira milionária com o próprio trabalho da história financiou bolsas de estudo para mulheres negras nas universidades, além de fazer doações para Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor dos EUA e outras instituições envolvidas com a causa. Walker mudou até a língua inglesa. Nos EUA, o termo para isso era self-made man ou "homem feito por si mesmo". Madam obrigou que a expressão ganhasse um novo gênero: ela foi a primeira self-made woman.


Fonte: revista Super Interessante. 70 mulheres que mudaram o mundo.


Em março de 2020, não perca a estreia da série:


© 2020 by Taís Fagundes