• Taís Fagundes

Oswaldo Guayasamín

A cultura da América Latina me presenteia, de modo permanente, com artistas e obras que proporcionam um novo olhar em diferentes perspectivas acerca da história e dos sentimentos humanos. De Quito, Equador, está Oswaldo Guayasamín. Um pintor que esboça a herança quéchua nos seus traçados e no seu orgulho de ser. Vamos saber mais!


(1919 – 1999)


Conhecido como "maestro" (professor em espanhol), Oswaldo Guayasamín foi pintor, muralista e escultor equatoriano cujo talento ultrapassou fronteiras. Suas obras foram expostas nos EUA e, inclusive, teve diversas peças compradas por Nelson Rockefeller. Também estudou com José Clemente Orozco, famoso muralista mexicano.


No período de 1-2 anos, Guayasamín seguiu desde o México até a Argentina e conheceu alguns países, sendo o Brasil um dos escolhidos. Realizou exposições e compôs uma série de quadros impactantes que foram chamados de El Camino del Llanto (em português: caminho das lágrimas).


Suas obras são classificadas em três etapas:

>> El Camino Del Llanto - O caminho das lágrimas - retrata a miséria e o sofrimento que observou nos povos da América Latina;

>> La Edad de La Ira - A idade da Ira - retrata guerras e violência que o homem faz contra ele mesmo;

>> La Edad de La Ternura - A idade da Ternura - Uma série de madres (mães), na qual se nota a ternura e as cores vivas representando o amor.


Hoje é possível visitar a Casa Museu em Quito, um espaço vivo em arte e cultura, que foi residência onde o maestro viveu e trabalhou nos últimos anos, e que contêm suas obras e coleções de arte do período pré-colombiano, colonial e contemporâneo do Equador, bem como objetos de arte diversos do mundo. Lá, se encontra a árvore da vida, uma árvore de pino plantada pelo próprio artista, na qual descansam os restos de Guayasamín, conforme seu desejo.


"Mi pintura es de dos mundos.

De piel para adentro es un grito contra el racismo y la pobreza;

de piel para fuera es la síntesis del tiempo que me ha tocado vivir."

Guayasamín


Obras de Guayasamín:

Frase atribuída ao maestro:


© 2020 by Taís Fagundes